Condenado a 430 anos de cadeia por matar 11 mulheres

O homem obrigou as mulheres a prostituirem-se e a traficar droga antes de as matar.

Condenado a 430 anos de cadeia por matar 11 mulheres
Imagem:

Pedro Payán Gloria, de origem mexicana, foi condenado esta terça-feira a 430 anos de cadeia pela morte de 11 mulheres entre 2009 e 2011. Os crimes aconteceram durante a vaga de feminicídios que fez centenas de mortes ao longo de duas décadas no México e chamou a atenção do mundo para a zona de Vale de Juárez, junto à fronteira com o Texas, nos Estados Unidos.

O machismo cultural, as atividades de gangues na área e a indiferença e corrupção das autoridades locais são algumas das razões apontadas para esta onda de mortes que se prolongou por anos e aterrorizou a população.

Em tribunal ficou provado que Payán Gloria obrigava as mulheres a prostituirem-se e a traficarem drogas antes de as matar. As vítimas eram escolhidas a dedo: jovens, magras e de classes sociais desfavorecidas. Eram muitas vezes aliciadas com a promessa de um emprego legítimo para depois serem drogadas e abusadas de várias formas.

O agora condenado e os cúmplices mantinham as mulheres cativas num hotel em Ciudad Juárez. onde viviam em servidão sexual permanente.

“Assim que deixavam de ser úteis para as atividades ilegais, [as vítimas] eram mortas e os corpos abandonados”, refere a acusação. Os esqueletos de dezenas de mulheres foram encontrados numa zona rural do Vale de Juárez em 2012, mas, como noutras situações, foi preciso bastante pressão das famílias para que as autoridades investigassem devidamente as mortes. Esta é a terceira condenação do chamado “caso do Vale de Juárez”, cujas sentenças já totalizam 1192 anos de cadeia.

 

Comente esta notícia