Idoso de 83 anos condenado por matar assaltante

Decisão do júri surpreendeu tudo e todos, até do Ministério Público, que pedia a absolvição do homem. Caso está a causar polémica.

Idoso de 83 anos condenado por matar assaltante
Imagem: SIC Notícias

Um homem de 83 anos foi considerado culpado por um júri pela morte de um assaltante que lhe tinha entrado em casa durante a noite. Jacinto Siverio matou Jonás Cano, quando este último, na companhia de um menor de idade, Cristian C., lhe tentava assaltar a casa, em Tenerife, Espanha.

A decisão deixou toda a gente chocada, até por que a acusação pedia a absolvição do crime de homicídio. O Ministério Público defendia que Jacinto Siverio agiu em legítima defesa, e pedia apenas 2 anos de prisão por posse ilegal de arma, porque o homem não tinha licença para o revólver com o qual matou o assaltante.

Em tribunal, citado pelo jornal espanhol El Mundo, o idoso alegou que a arma foi-lhe dada por um filho, para efeitos de proteção. De acordo com o relato do arguido, os dois homens, mascarados e com roupas escuras, assaltaram a sua casa, agredindo, também, a sua mulher, Mercedes. Uma irmã desta conseguiu esconder-se e chamar ajuda.

idoso-de-83-anos-condenado-por-matar-assaltante_UOL

Com a desculpa de que iria buscar algo de valor, Jacinto Siverio alcançou a arma e deu dois tiros para assustar os assaltantes. Porém um dos tiros atingiu Jonás Cano na cara.

O jornal espanhol refere que os relatos de Jacinto Siverio e de Mercedes impressionaram o júri, mas que o maischocante foi mesmo o relato do segundo assaltante, Cristian C. O jovem terá dito que “faria o mesmo que Jacinto”, mas mais, porque “não deixaria escapar ninguém e matava os dois”.

O júri, por sua vez, considerou que o homem “poderia ter utilizado outras alternativas tão eficazes para salvar a sua integridade física e a da mulher”, razão pela qual o condenou.

O advogado de Jacinto Siverio, que prepara recurso da decisão judicial, disse que o seu cliente está “muito nervoso”, enquanto o homem de 83 anos refere que “confia na justiça” e espera não ir parar à prisão.

 

Comente esta notícia