Igreja aconselha recasados a não terem relações sexuais

Cardeal-patriarca de Lisboa recomenda que, nos casos em que não possa ser declarada a nulidade do casamento anterior, casais vivam em abstinência.

Igreja aconselha recasados a não terem relações sexuais
Imagem: Público

“Os casais católicos que tenham recasado devem seguir uma vida em continência”, recomenda o Cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, num documento publicado esta quarta-feira.

Tal como avança o jornal Público, o documento em causa reúne um conjunto de normas que regulam o acesso aos sacramentos de pessoas em “situação irregular” — aquelas que se separaram e voltaram-se a juntar com outra pessoas, mas em união civil.

Assim sendo, os casais católicos que vivem nesta situação devem abster-se da prática de relações sexuais. Ainda que os católicos recasados possam, “em circunstâncias excepcionais”, aceder aos sacramentos, esta é a recomendação que a Igreja lhes propõe.

Conforme explica o jornal, esta é a reação do Patriarcado de Lisboa ao apelo do Papa Francisco no sentido de a Igreja ter maior abertura às novas formas de estar em família. A exortação, publicada em Abril de 2016, desafiava as dioceses dos vários países a colocarem de parte “a fria moralidade burocrática” e a serem misericordiosas com quem se divorciou ou vive uma união fora do casamento.

“O confessionário não deve ser uma câmara de tortura, mas o lugar da misericórdia”, aconselhava o Papa Francisco no mesmo documento.

 

Comente esta notícia