Algarve: britânica esfaqueada por mãe e filha mostra como ficou depois do ataque

Portuguesa desconfiou que a britânica tinha um caso amoroso com o companheiro. Engendrou, por isso, um plano bárbaro com a mãe e um amigo para se vingar.

Algarve: britânica esfaqueada por mãe e filha mostra como ficou depois do ataque
Imagem: CM

Arrancou esta semana em Portimão o julgamento de duas mulheres – mãe e filha – acusadas de agredir barbaramente uma jovem britânica com a ajuda de um homem que também é arguido no caso.

Ao jornal “The Sun”, Leighanne Rumney, de 22 anos, revelou o martírio por que passou quando trabalhava num bar de Albufeira. Nessa altura, uma mulher portuguesa desconfiou que Leighanne tinha um caso amoroso com o companheiro, com quem tinha tido um filho há pouco tempo. Engendrou um plano com a mãe e um amigo para se vingar.

A britânica foi atraída pelo trio que a convenceu a entrar num carro. “Entrei porque pensei que as podia convencer de que não tinha feito nada, mas rapidamente percebi que estava em apuros”, contou ao jornal.

Algarve: britânica esfaqueada por mãe e filha mostra como ficou depois do ataque

A vítima levada até uma zona florestal de Alcantarilha. “Conduziram durante 45 minutos até um local remoto e abriram um saco que tinha facas e tesouras. Pensei que me iam matar e estava tão assustada que não me mexi nem falei enquanto elas me despiam até ficar nua e me davam facadas nas costas”.

A jovem conta que foi esfaqueada na cabeça e nas costas repetidamente e mostrou fotos que revelam a gravidade das lesões. As duas mulheres cortaram-lhe o cabelo e deixaram-na completamente nua, a esvair-se em sangue.

Mãe e filham de 24 e 40 anos são acusadas de sequestro e ofensas à integridade física qualificadas. O homem de 22 anos, que conduziu o carro usado no crime, vai ser julgado por cumplicidade com as agressoras.

Algarve: britânica esfaqueada por mãe e filha mostra como ficou depois do ataque

Leighanne salvou-se porque conseguiu chegar a uma estrada onde pediu ajuda. Lembra que perdeu dois litros de sangue e revela ao The Sun que o trauma foi tal que ainda hoje não consegue tomar duche, porque a água quente lhe traz as memórias de sentir o sangue a escorrer-lhe pelas costas abaixo.

A jovem também negou ter tido alguma relação com o marido da agressora mais jovem. “Reparei que um homem estava muito interessado em mim quando eu trabalhava atrás do balcão, mas não gostei dele e nunca saí com ele”, garantiu.

 

Comente esta notícia