Almada: sem-abrigo morto e desfigurado por ratazanas

Manuel, de 70 anos, era diariamente atacado por ratazanas...ja estava morto há pelo menos 5 dias quando foi encontrado.

Almada: sem-abrigo morto e desfigurado por ratazanas
Imagem: CM

Um sem-abrigo, com cerca de 70 anos, foi encontrado morto e desfigurado por ratazanas numa arrecadação exterior de um prédio em Almada. O alerta foi dado na noite de domingo por outro sem-abrigo que partilhava o espaço contíguo que servia de arrumos de garrafas de gás junto ao número 11 da Rua Ramiro Ferrão.

A testemunha foi ao café Central, no centro de Almada, a cerca de dois quilómetros, para dar o alerta e os bombeiros deslocaram-se ao espaço às 21.23 horas, encontrando Manuel morto. Estava desfigurado, irreconhecível, e pelo que foi possível apurar, já tinha falecido há cinco dias.

Manuel residia no espaço há cerca de 25 anos. Era visto a percorrer as ruas de Almada com livros debaixo do braço e era tido como simpático e afetuoso. A presença das ratazanas no espaço era recente.

Almada: sem-abrigo morto e desfigurado por ratazanas

“Há seis meses que começaram a aparecer ali e eram bastantes”, contou ao JN o proprietário do talho adjacente à arrecadação. “Quando chegava ao talho, pelas seis da manhã, era costume ouvir os gritos deles porque estavam a ser mordidos pelas ratazanas”, referiu o comerciante, que há cerca de um mês fez queixa aos serviços da Autarquia dos riscos dos ratos para a saúde pública.

“Disseram-me que iam tratar do assunto o mais depressa possível, mas nunca o fizeram”, lamentou.

Os dois sem-abrigo que pernoitavam no espaço traziam comida, que terá atraído as ratazanas. Uma moradora na zona, refere que a situação dos sem-abrigo já tinha sido comunicada por diversas vezes à Autarquia, “que nada fez”.

 

Comente esta notícia