Até ao final do mandato, o Bloco quer legalizar a canábis

Para cumprir o compromisso feito ao eleitorado, o bloco avança com dois projetos de lei

Até ao final do mandato, o Bloco quer legalizar a canábis
Imagem: Pixabay

O Bloco de Esquerda anunciou este fim de semana que vai promover uma audição pública na Assembleia da República, no dia 11 de dezembro, para promover a discussão sobre a legalização da canábis.

Moisés Ferreira, deputado do Bloco, defende que a legalização pode garantir “maior segurança no consumo, melhores políticas de redução de riscos associados ao consumo, consumo mais informado” e “combate às redes de tráfico”.

“É uma questão de ir ao encontro do que era o nosso programa eleitoral, ainda antes de haver o acordo parlamentar”, explica o deputado, assumindo a legalização do canábis nesta legislatura como um objetivo do partido, com base no “compromisso” feito “com o eleitorado”

O Bloco de Esquerda vai apresentar dois projetos, para não “misturar as coisas”, um para regulamentação do uso medicinal e outro sobre o uso recreativo da substância estupefaciente. Ambos pretendem que existam “locais que, mediante licenciamento, como é óbvio, possam vender” canábis, permitindo “adquirir normalmente como qualquer outro produto” e que qualquer pessoa possa “fazer o cultivo em sua casa”, mediante “um controlo sobre o que é produzido”, para evitar manipulações químicas e genéticas.

Será também imposto um limite de quantidade fornecida a cada indivíduo para evitar “a formação de um mercado paralelo”.

Em Portugal, o consumo de canábis já está descriminalizado, uma medida que “pôs Portugal na vanguarda, e ainda hoje é olhado como exemplo mundial na abordagem às drogas”.

 

 

Comente esta notícia