Bárbara chama a Polícia com medo de Carrilho

A apresentadora acionou o botão de pânico ao aperceber-se da presença do ex-marido no prédio. Carrilho acusa Bárbara de lhe ter roubado um cheque de 35 mil euros.

Bárbara chama a Polícia com medo de Carrilho
Imagem: Flash

O conflito entre Bárbara Guimarães e Manuel Maria Carrilho parece estar para durar. Tal como avança o CM, a PSP foi chamada a casa da apresentadora, no centro de Lisboa, depois de Bárbara ter acionado o botão de pânico – sistema que permite a vítimas de violência doméstica pedirem apoio de forma imediata, 24 horas por dia -, ao aperceber-se da presença do ex-marido no prédio onde mora.

Sabe-se que alguns agentes da PSP foram enviados ao apartamento de Bárbara, de 45 anos, para perceber o que estava a acontecer e para tomarem conta da ocorrência. A apresentadora, que está a lutar contra um cancro da mama, foi ouvida, tal como o seu ex-marido, Manuel Maria Carrilho, de 67.

Bárbara chama a Polícia com medo de Carrilho

Os vizinhos confirmaram ao mesmo jornal que os agentes chegaram em poucos minutos. “Não houve gritos nem violência. Carrilho estava na entrada do prédio quando a polícia chegou”, disse um deles.

Manuel Maria Carrilho, por sua vez, fez questão de dar a sua versão dos factos. Segundo o ex-ministro, apenas se deslocou a casa de Bárbara porque não sabia do paradeiro do filho Dinis, de 15 anos, que tinha ido ao apartamento da mãe na véspera, por volta das 23 horas.

“Nessa noite, o Dinis foi jantar a casa da mãe. Tinha levado um cheque de 35 mil euros – devidos à apresentadora depois de ter sido condenado pelo crime de violência doméstica – e um papel para Bárbara assinar em como tinha recebido o valor. Como ao regressar vinha sem esse documento, pedi para ir lá novamente buscá-lo”, frisou, acrescentando que o filho saiu sem telemóvel e “nunca mais apareceu e passou a noite sem dar notícias”.

Bárbara chama a Polícia com medo de Carrilho

“Passei a noite inquieto, sem saber do meu filho, cuja guarda me está entregue. Às 7 horas da manhã liguei para o número fixo da Bárbara, que me desligou o telefone. Fui então a casa dela para perceber se o Dinis estava lá e deixar-lhe a mochila para a escola. Toco à campainha, identifico-me e depois aparecem vários agentes da polícia”, rematou.

Recorde-se que Carrilho está impedido de se aproximar de Bárbara depois de ter sido condenado pelo crime de violência doméstica.

 

 

Comente esta notícia