Benavente: obrigada a pagar carro que não comprou

Só descobriu que tinha sido vítima de burla e de roubo de identidade quando quis fazer um crédito. O banco recusou-lhe o empréstimo pois tinha o nome na lista negra do Banco de Portugal.

Benavente: obrigada a pagar carro que não comprou
Imagem: CM

Carla Alcaparra, de 28 anos de idade, residente em Benavente, descobriu que foi vítima de burla e de roubo de identidade quando se dirigiu ao banco para, pela primeira vez, fazer um crédito.

Lá descobriu que vários documentos falsificados em seu nome foram usados para comprar um carro, através de um empréstimo de 39 mil euros. “Eu só soube quando quis contrair um crédito e me disseram que tinha o meu nome na lista negra do Banco de Portugal”, disse a vítima, em declarações ao CM.

Carla explicou que alguém usou a sua identificação, comprovativo de morada e recibo de vencimento, para celebrar um contrato de crédito junto de uma empresa de locação financeira para a compra de uma carrinha Peugeot, em Évora.

Benavente: obrigada a pagar carro que não comprou

Carla, que de 2010 a 2016 esteve emigrada na Suíça e Reino Unido, diz que nunca entrou no stand onde compraram o carro em seu nome e nunca sequer viu o tal automóvel. Porém, segundo os documentos que já conseguiu reunir, foi feito em seu nome um crédito de 39 mil euros, ficando o veículo em nome de Joel Fialho, que garante não saber quem é.

Quando descobriu a fraude, apresentou queixa na Polícia Judiciária, mas ficou a saber que quanto à falsificação de documentos já era tarde, pois o crime prescreve ao fim de 5 anos.

“Se eu não sabia que tinha sido burlada, como podia apresentar queixa mais cedo?”, questionou, acrescentando que fez denúncia por burla. Entretanto, Carla também entrou com um processo cível em Évora contra a empresa de locação financeira, por aceitar um crédito fraudulento pois, na altura em que o empréstimo foi contratado, não tinha 18 anos e nem trabalhava.

Até a Justiça fazer alguma coisa pelo seu caso, tem dívidas para pagar. Isto se não quiser enfrentar um processo de penhora.

 

 

Comente esta notícia