Bruno e a chantagem de Jesus: "O FC Porto diz que paga o valor para eu sair"

O ex-presidente do Sporting volta a atacar. Reafirma que os "podres" de todos os que estavam à sua volta constam do seu novo livro. Depois da ex-mulher, de Octávio e de Ricciardi, chegou a vez de Jorge Jesus.

Bruno e a chantagem de Jesus:
Imagem: JN

O livro de Bruno de Carvalho -“Sem Filtro – As Histórias dos Bastidores da Minha Presidência” – chega esta sexta-feira às livrarias.

Começa com uma história sobre os bastidores do Sp. Braga-Sporting, último jogo da Liga 2015/16. Os leões ainda podiam ser campeões.

A 15 minutos do início do jogo, Jesus terá surpreendido Bruno de Carvalho, dizendo: “Não tenho cabeça para fazer o jogo. Preciso de saber já se renovo ou então na segunda-feira vou-me embora. O FC Porto diz que paga o valor para eu sair e vou-me embora!”

Bruno e a chantagem de Jesus:

Jorge Jesus ganhava 5 milhões de euros brutos por época e pediu 8 milhões para continuar. O tema já teria sido abordado duas vezes, uma entre o então presidente e o próprio Jesus e outra por intermédio de José Maria Ricciardi que terá prometido 15 milhões de euros a Bruno de Carvalho para a renovação do técnico, dinheiro esse que nunca fez chegar ao Sporting.

“Não gostei daquela chantagem antes do jogo. (…) E talvez fosse um sinal daquilo que o Jorge verdadeiramente era”, afirma Bruno.

O ex-líder garante que só falou com Jorge Jesus, quando este saiu do Benfica, após a final da Taça de Portugal, conquistada por Marco Silva. E revela que a primeira reunião com ele aconteceu em casa de uma ex-cunhada, no Estoril. O técnico foi-lhe “oferecido” pelo empresário, Costa Aguiar.

O ex-presidente do Sporting escreve ainda que a partir de determinado momento Jorge Jesus “começou a querer meter-se em todos os assuntos” e que “algumas dessas intromissões” terão custado “muito dinheiro” ao Sporting. E dá o exemplo de Alan Ruiz, a quem Jesus terá telefonado quando os leões teriam “o negócio quase feito por metade do preço.” “Depois desta intervenção do Jorge, o valor passou para o dobro.”

Bruno e a chantagem de Jesus:

“O Jorge gabava-se de ter a sua própria estrutura internacional para analisar vários jogadores e, se fosse preciso, contactar diretamente os agentes e os clubes dos atletas nos quais poderia estar interessado. (…) Ele gostava de lembrar, inclusivamente, que tinha um observador na Argentina, seu ex-jogador, embora nunca me tivesse dito de quem se tratava”, revela.

Bruno insiste na ideia de que foi Jesus que alterou a hora do treino que se iria realizar na Academia de Alcochete, depois da derrota na Madeira. Recorde-se que esta alteração foi crucial para o ataque que aconteceu na Academia, em que vários jogadores leoninos e membros da equipa técnica foram agredidos.

 

Comente esta notícia