Carlos Queiroz apresentado como selecionador da Colômbia

O técnico português, de 65 anos, foi confirmado como selecionador da Colômbia e prometeu pôr os seus jogadores a dançar "samba ou rock n' roll" se isso for o necessário para ganhar.

Carlos Queiroz apresentado como selecionador da Colômbia
Imagem: CM

Carlos Queiroz foi esta quinta-feira apresentado como selecionador da Colômbia e deixou claro que a ambição tem de estar sempre no máximo. Com ele, todos os jogos serão para ganhar, seja da forma que for.

“Já me fizeram essa pergunta muitas vezes ao longo da vida. Depois de mais de 35 anos de experiência, respondo que gosto do estilo de respeitar a arte de procurar ganhar um jogo. Se for preciso dançar rock and roll ou samba, assim faremos”, frisou.

Carlos Queiroz apresentado como selecionador da Colômbia

O técnico português assinou contrato com a Federação Colombiana de Futebol (FCF) até 2022. O presidente da FCF, Ramón Jesurún, salientou que Carlos Queiroz obedece ao perfil desejado pela federação para suceder a José Pékerman, que abandonou o comando da equipa colombiana após seis anos, conduzindo os ‘cafeteros’ aos quartos de final do Mundial 2014 e aos oitavos do Mundial 2018.

“Pretendíamos uma pessoa competente, responsável e com experiência para liderar uma seleção que já atingiu um nível elevado no futebol mundial”, considerou.

O primeiro desafio de Carlos Queiroz à frente da Colômbia será a participação na Copa América, que se disputa em junho, no Brasil, sendo que os colombianos foram sorteados no mesmo grupo de Argentina, Paraguai e do convidado Qatar.

Carlos Queiroz apresentado como selecionador da Colômbia

A Colômbia é a quinta seleção principal que Carlos Queiroz vai comandar, depois de Portugal, por duas vezes, Emirados Árabes Unidos, África do Sul e Irão. Recorde-se que Queiroz esteve ao serviço dos iranianos nos últimos oito anos e apurou esta seleção para os Mundiais de 2014 e 2018, tendo defrontado Portugal neste último.

Além disso, atingiu as meias-finais da Taça Asiática deste ano, depois de uma presença nos quartos em 2015. A nível de clubes, o técnico orientou o Sporting, os New York Red Bulls (Estados Unidos), o Nagoya Grampus (Japão) e o Real Madrid (Espanha), além de ter sido treinador-adjunto de Alex Ferguson no Manchester United.

“Não posso garantir que vamos ganhar, mas garanto que vamos disputar todos os jogos para tentar ganhá-los. Posso prometer que vamos colocar a camisola acima de tudo”, frisou.

 

Comente esta notícia