Catarina dá lapada de luva branca após ter sido arrasada na Eurovisão

Catarina Furtado quebra o silêncio depois de ter sido duramente criticada pela sua prestação no festival da Eurovisão.

Catarina dá lapada de luva branca após ter sido arrasada na Eurovisão
Imagem: Flash

Catarina Furtado viu-se envolvida numa polémica durante o Festival da Eurovisão por se ter atrapalhado a falar inglês com as outras apresentadoras, Sílvia Alberto, Filomena Cautela e Daniela Ruah ou mesmo pelos outfits que vestiu. Duramente criticada pela sua prestação, a estrela da RTP, que é a mais bem paga do universo das apresentadoras, decidiu agora comentar a situação, num longo texto que publicou nas redes sociais.

Catarina decidiu puxar dos galões, mas com elegância. A mensagem que passa no texto procura dizer que já não tem de provar nada a ninguém, pois a sua carreira, que já é longa, tem de falar por si.

catarina-da-lapada-de-luva-branca-apos-ter-sido-arrasada-na-eurovisao_Flash

“Sou uma mulher de muitas facetas e sonhos. Nunca fui adepta de rótulos na minha carreira. Sou o que sou. Comecei a minha carreira como bailarina clássica e depois, contra todas as expectativas, fiz formação em jornalismo. Trabalhei para rádios, jornais e revistas. Fui desafiada a testar os meus “dotes” enquanto apresentadora de televisão (e já lá vão 27 anos!). Fiz parte da equipa envolvida no lançamento do primeiro canal de televisão independente, SIC, e desde então nunca mais parei de trabalhar no meio”, começou por escrever.

“Sempre persegui os meus desejos: em 1995 mudei-me para Londres para estudar representação. Abracei a carreira de actriz, no teatro, em cinema, em séries de TV, em dobragens. Em 2000 fui convidada para ser Embaixadora de Boa Vontade do UNFPA, a agência das Nações Unidas para os direitos e saúde reprodutiva”, prosseguiu.

catarina-da-lapada-de-luva-branca-apos-ter-sido-arrasada-na-eurovisao_Flash

“Esta experiência que tenho vivido junto do UNFPA levou-me também, em 2012, a fundar a “Corações com Coroa”, que tem por objectivo promover uma cultura de solidariedade, não violência e não discriminação, de igualdade de oportunidades e de género e de inclusão social”.

“Depois de tudo o que fiz até agora, ser vista por 200 milhões de pessoas na Eurovision Song Contest tornou-se uma experiência inesquecível para mim. Estou muito grata”, rematou.

 

Comente esta notícia