Costa: "PS não é carochinha à procura de um João Ratão"

Com a esquerda assustada com a aproximação do PS ao PSD de Rio, António Costa decidiu colocar os "pontos nos is".

Costa:
Imagem: Dinheiro Vivo

Durante uma conferência promovida pela Federação da Área Urbana de Lisboa do Partido Socialista destinada à preparação do debate parlamentar sobre o Estado da Nação, já na próxima sexta-feira na Assembleia da República, António Costa fez questão de acalmar os seus parceiros da esquerda parlamentar.

O primeiro-ministro e secretário-geral do PS defendeu a atual solução de Governo e recusou a ideia de um regresso ao “Bloco Central”. Isto porque BE e PCP têm manifestado algum desagrado em relação a algumas proximidades políticas entre o PS e o PSD de Rui Rio.

“O PS não é propriamente uma carochinha que anda à procura de um João Ratão. Somos um partido que tem uma identidade própria, tem uma história própria, que tem muito orgulho na sua história, possui um programa muito claro para executar e que irá continuar a cumpri-lo passo a passo, como tem feito desde o início desta legislatura e continuará a fazê-lo seguramente na próxima legislatura”, disse António Costa. “É assim que é o PS – e é assim quer continuar”, acrescentou.

Costa:

“Se, ao longo destes três anos, com estas políticas, se demonstrou que era possível ter finanças públicas bem controladas – com o défice mais baixo de sempre, com nova descida da dívida pública e com as agências de ‘rating’ a voltarem a confiar no país -, se temos dado boas provas ao nível do crescimento económico, por que razão havemos de mudar de políticas e por que razão havemos de mudar de caminho?”. Para logo responder: “Caminho que dá bons resultados é caminho que deve ser prosseguido”.

Ainda assim, Costa deixou uma farpa ao BE e ao PCP, em tom de alerta. “Os portugueses não compreenderiam se o Orçamento do Estado não fosse aprovado”.

 

 

Comente esta notícia