Deco alerta: preste atenção ao que o banco lhe tira da conta

Bancos estão a aumentar os custos cobrados nas contas à ordem. A Defesa do Consumidor fala em abusos e em passividade do Banco de Portugal.

Deco alerta: preste atenção ao que o banco lhe tira da conta
Imagem: Revista Pontos de Vista

Os custos das contas à ordem estão cada vez mais altos, alerta a associação de defesa do consumidor Deco, num estudo em que concluiu que as tradicionais isenções desapareceram mesmo nas contas-ordenado de grandes bancos.

“Os bancos passaram a encarar as contas-ordenado como a nova galinha poedeira, capaz de lhes render um fluxo ininterrupto de ovos de ouro”, lê-se na edição de março da revista Dinheiro & Direitos, que admite que a recomendação que dava anteriormente aos seus associados de domiciliarem o ordenado como forma de pouparem em custos bancários deixou, em muitos casos, de fazer sentido.

O artigo refere mesmo os casos do Deutsche Bank, Novo Banco e Santander Totta, que “acabaram com as contas-ordenado” e, em substituição, propõem “contas-pack”, que implicam um conjunto de serviços que muitas vezes não compensa ao cliente.

Mesmo nos bancos em que subsistem contas-ordenado, acrescenta a Dinheiro & Direitos, os bancos criam “cada vez mais obstáculos para aceitarem a isenção”, como um nível de ordenado mais elevado. Paralelamente, alguns serviços que as contas-ordenado ofereciam gratuitamente, como não cobrar comissões pelas transferências feitas pela Internet, em alguns casos também terminaram.

O artigo da revista Dinheiro & Direitos faz uma análise do mercado das contas à ordem oferecidas pelos principais bancos que operam em Portugal. No primeiro cenário – para um saldo médio inferior a 1.000 euros, sem domiciliação de ordenado mas com cartões de débito e crédito e uma transferência por mês – foi concluído que os maiores bancos são, em geral, os mais caros.

“Banco BPI, Novo Banco, CGD [Caixa Geral de Depósitos], Santander Totta e Millennium bcp praticam uma média de 149,95 euros [de custos] anuais para as condições do nosso primeiro cenário (…). São mais 18,57 euros, ou seja, mais 14% do que a concorrência”, refere o artigo.

Já no segundo cenário analisado – as mesmas condições do primeiro cenário, mas com ordenado domiciliado – refere o estudo que “os custos médios nestes cinco bancos agravaram-se uns exuberantes 47% desde o último estudo quando o meio de movimentação [da conta] é a net”.

Ou seja, face ao aumento da movimentação das contas bancárias pela Internet, os bancos estão agora a taxar este serviço, que durante anos tinha isenções ou custos diminutos, até como forma de o fomentar.

Para evitar estes aumentos de custos nas contas à ordem, que são considerados “arbitrários”, o estudo diz que os melhores bancos são mais pequenos e que estão no mercado mais recentemente, destacando o Banco CTT, o Bankinter (comprou atividade do Barclays em Portugal), o Banco BIG e o Activo Bank.

Por fim, a Dinheiro & Direitos critica a passividade do Banco de Portugal na regulação do mercado, acusando-o de estar “pouco ou nada preocupado com os interesses dos consumidores”, e considera que deve haver limites, não só aos custos dos produtos bancários mas também à cobrança de comissões, que só deve acontecer por serviços efetivamente prestados.

“Há um ano que existem propostas legislativas em discussão no parlamento. Até quando?”, questiona a associação de defesa dos consumidores.

 

 

Comente esta notícia