Empregada de limpeza condenada por furtar droga e notas falsas na PJ

Fazia as limpezas na Polícia Judiciária do Porto desde 1989. Foi condenada a três anos de prisão com pensa suspensa.

Empregada de limpeza condenada por furtar droga e notas falsas na PJ
Imagem: JN

Maria Odete, mulher de limpeza na PJ do Porto há quase 30 anos, foi condenada a três anos de prisão com pena suspensa por ter furtado droga e notas falsas das instalações da Judiciária.

Na leitura da sentença, ocorrida ao início da tarde desta terça-feira, também Sofia Silva, amiga daquela empregada de limpeza, foi condenada à mesma pena por ter sido instigadora do crime. Ambas foram consideradas culpadas dos crimes de peculato, tráfico de estupefacientes e passagem de moeda falsa.

De acordo com o acórdão, Maria Odete estava a limpar o laboratório e viu um saco com “blocos” de haxixe. Deitou a mão a um deles e colocou-o no caixote do lixo. Quando acabou a limpeza, pegou na droga e escondeu-a no seu armário. Horas depois, foi buscá-la, passou na portaria sem qualquer dificuldade e dirigiu-se a casa da amiga, Sofia Silva, a quem vendeu a droga por 100 euros.

Maria Odete confessou ainda que roubou, do mesmo laboratório, 15 notas falsas: treze de 20 euros e duas de cinco. O dinheiro falso foi gasto por si e Sofia, em pequenas compras em lojas à volta da zona onde ambas residem, o bairro de Contumil.

 

 

Comente esta notícia