Família de Famalicão dorme na rua em protesto por despejo

Um casal e a filha, de 29 anos, estão há várias noites a dormir ao relento, numa rua da cidade de Famalicão, em protesto pela "forma indigna" como foram tratados pela autarquia.

Família de Famalicão dorme na rua em protesto por despejo
Imagem: CM

Uma família – um casal e a filha de 29 anos de idade – está a dormir ao relento, numa rua da cidade de Famalicão, em protesto pela forma como foram despejados pela Câmara de Famalicão.

Em causa um processo de despejo movido dois anos depois de José Oliveira ter terminado o vínculo laboral com a autarquia. O contrato, celebrado há 30 anos, autorizava que usassem um anexo na central de camionagem como habitação, apesar de não ter licença de habitabilidade, mas só enquanto fosse funcionário.

“Precisamos que nos arranjem uma casa que possamos pagar e não as rendas elevadas que se praticam. Não temos como arranjar fiador, nem temos recibos de ordenado para poder alugar seja o que for”, disse revoltada Joana Oliveira, filha do casal, em declarações ao cm.

“Cortaram-nos a eletricidade e a água. Não temos condições para estar em casa e a qualquer momento podemos ser despejados”, continuou.

Família de Famalicão dorme na rua em protesto por despejo

“A minha mãe tem cancro de mama, precisa de cuidados, mas estamos na rua, nestas condições indignas, tratados como lixo. Só queremos que alguém tenha um pouco de consciência e nos ajude. Arrisco perder um trabalho que me prometeram porque não posso ir trabalhar nesta condições, sem tomar banho há vários dias”, contou em lágrimas.

A Câmara de Famalicão confirmou, entretanto, que após a caducidade do contrato, tentou de várias formas encontrar solução para casal e filha, sugerindo várias alternativas com rendas que estariam dentro do orçamento proposto, mas que todas foram recusadas. Por essa razão, o processo foi entregue a um tribunal.

 

Comente esta notícia