FC Porto denuncia "agressão sexual" nas revistas aos adeptos no Estádio da Luz

O FC Porto avançou com uma queixa para as instâncias desportivas contra as revistas realizadas aos adeptos azuis e brancos à entrada do Estádio da Luz. "O que foi novidade este ano foi o facto de a revista ter incidido sobre a área genital, quer de adeptos quer de adeptas".

FC Porto denuncia
Imagem: Notícias ao Minuto

No programa “Universo Porto da Bancada” desta terça-feira, o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, revelou que adeptos e adeptas portistas foram “agredidos sexualmente” durante as habituais revistas antes de entrar no Estádio da Luz.

Francisco J. Marques mostrou, inclusivamente, dois testemunhos de duas adeptas do FC Porto que apresentaram queixa na Polícia Judiciária de Carnide pela forma como foram revistadas pelos seguranças antes de entrar no estádio para assistir ao clássico.

“O que foi novidade este ano foi o facto de a revista ter incidido sobre a área genital, quer de adeptos quer de adeptas. Temos variadíssimos relatos disso. Se a revista pretendesse procurar pirotecnia, o normal seria pedir às pessoas que se descalçassem. Não pediram a ninguém. A revista não foi minuciosa, foi baseada em agressão sexual”, atirou o dirigente azul e branco.

FC Porto denuncia

“Isto é um comportamento miserável, de gente para quem vale tudo. As pessoas do Benfica responsáveis por isto, que não sei quem são… Isto não representa o Benfica, nem as pessoas que gostam de futebol. Felizmente houve duas adeptas que tiveram a paciência e o discernimento de apresentar queixa após o jogo. E felizmente os adeptos do FC Porto souberam comportar-se. Pois aquilo foi para procurar que alguém perdesse a cabeça, que desencadeasse alguma coisa e a culpa seria ‘daqueles troglóditas do norte'”, acrescentou.

O FC Porto já apresentou uma queixa às autoridades competentes e a PROSEGUR, empresa responsável pelos seguranças à entrada do Estádio da Luz já tornou público que vai abrir um inquérito interno para apurar os acontecimentos e responder às acusações.

 

 

Comente esta notícia