Francisco J. Marques: "Partidos prestam subserviência ao Benfica"

"Da esquerda à direita, não há um único partido que tenha coragem de questionar a violação do Citius por intermédio de pessoas a favor do Benfica... É vergonhoso!"

Francisco J. Marques:
Imagem: JN

No programa “Universo Porto da Bancada” desta quarta-feira, o diretor de comunicação do FC Porto teceu duras críticas aos partidos com assento parlamentar, os quais acusou de “prestar subserviência ao Benfica”.

“Se fosse outro caso qualquer, iríamos ter comissões parlamentares, audiências, tudo e mais alguma coisa. Neste caso, zero. Os partidos fazem subserviência ao Benfica. Todos os casos graves que têm acontecido no país levam a comissões de inquérito no Parlamento. Este não levou a nada. Isto é terrível para o país. Isto é o que impede que o futebol melhore”, começou por dizer Francisco J. Marques.

“Estão todos subjugados e reféns do Benfica e, enquanto da esquerda à direita isso for assim, teremos de denunciar. Todos nós temos as nossas convicções políticas, mas nenhum de nós pode ser indiferente a esta pouca vergonha à volta do Benfica”, prosseguiu.

Francisco J. Marques:

Após ouvir algumas declarações de Marques Mendes, o dirigente portista continuou as críticas.

“É extraordinário que, da esquerda à direita, entre todos os partidos que têm representação parlamentar, não haja um único que tenha coragem de questionar a violação do Citius por intermédio de pessoas a favor do Benfica. Nem interessa se eram do Benfica ou se não eram, mas de algo temos a certeza: conhecendo a política portuguesa, se a violação do Citius tivesse sido em benefício de qualquer outra entidade, teríamos vários partidos a cavalgar a oportunidade e a pedir inquéritos, com audições parlamentares. E neste caso, zero. É vergonhoso. Bloco de Esquerda, Verdes, PS, PSD, PAN, PP… é vergonhoso para todos e demonstra a subserviência em relação ao Benfica”, rematou.

Recorde-se que o Ministério Público pediu, recentemente, mais tempo para investigar os alegados casos de corrupção que envolvem o clube da Luz.

Segundo avança o “Expresso”, o Ministério Público terá fortes indícios de que o Benfica influenciou equipas adversárias para facilitar a obtenção de resultados positivos e considera que o caso “envolve atividade criminosa que se insere num esquema altamente organizado”.

O Ministério Público terá assim pedido mais tempo devido à complexidade do caso, o elevado número de pessoas investigadas e que podem envolver penas pesadas.

 

Comente esta notícia