Gestores da Caixa receberam bónus mesmo com resultados negativos

Informação foi tornada pública por uma auditoria. Nas redes sociais, os portugueses estão revoltados por estarem a sustentar bancos.

Gestores da Caixa receberam bónus mesmo com resultados negativos
Imagem: Renascença

Os administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) receberam “remuneração variável” e “voto de confiança”, mesmo com resultados negativos, revela auditoria da EY.

No documento, citado no domingo pela comentadora política Joana Amaral Dias e facultado pela própria ao jornal “Expresso”, é revelado que durante vários anos os administradores executivos do banco público tiveram remunerações variáveis sem critérios claros e recebiam prémios mesmo quando o banco tinha prejuízo.

O relatório de auditoria faz referência aos atos de gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015.

“Em particular no período 2000-2008 não foi obtida evidência dos princípios orientadores para a remuneração variável aplicada, concluindo-se que as decisões foram tomadas de forma avulsa”, lê-se no relatório, que aquele jornal diz ser uma versão preliminar da auditoria, datada de dezembro de 2017 e encomendada pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças em março desse ano.

Gestores da Caixa receberam bónus chorudos mesmo com resultados negativos

A auditoria revela ainda que “a CGD não dispôs de uma política remuneratória” para a administração executiva até 2015 e que “as decisões de remuneração não continham elementos que contribuíssem para alinhar os incentivos dos gestores com o objetivo de longo prazo da instituição”.

Só em 2009 foi aplicado um princípio de diferimento de 50% da componente variável da remuneração, mas “não foi estabelecida qualquer condição entre o pagamento desta componente e a avaliação de desempenho dos administradores”.

A consultora contabilizou ainda algumas operações que considerou terem resultado num aumento da exposição considerado elevado ou grave da CGD. Segundo o documento, só em sete destas operações o valor chega a mais de mil milhões de euros, num período até dezembro de 2015.

Gestores da Caixa receberam bónus chorudos mesmo com resultados negativos

Uma destas operações está relacionada com a compra de ações da Cimpor pela Investifino, que deu ações do BCP e da Cimpor como garantia à CGD.

Com a desvalorização destas ações, o negócio não foi bom para o banco do Estado, segundo a EY, tendo havido necessidade de “reestruturar a dívida”.

Nas redes sociais a notícia não caiu bem e são muitos os portugueses revoltados com o facto de estarem a pagar a corrupção e a má gestão dos bancos. Recorde-se que, também no jornal Expresso, foi divulgado recentemente que há 10 anos cada português anda a pagar mensalmente cerca de 15 euros por mês para salvar bancos. Importa ainda sublinhar que, entre 2008 e 2018, o Estado já socorreu cinco bancos.

 

Comente esta notícia