Governo limita abastecimento de combustível a 25 litros

Os veículos ligeiros só poderão ser abastecidos com 25 litros e os pesados com 100 litros, em qualquer posto de combustível do país. Na REPA, mantém-se o limite de 15 litros.

Governo limita abastecimento de combustível a 25 litros
Imagem: JN

O Governo declarou, esta sexta-feira, a situação de crise energética e decidiu impor limites ao abastecimento de combustível também nas bombas que não fazem parte da Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA).

Segundo o ministro do Ambiente, os veículos ligeiros só poderão ser abastecidos com até 25 litros, em qualquer posto do país. Os pesados estão limitados a 100 litros. Isto a partir da 23h59 de domingo.

“Fora da rede REPA, resolvemos quantificar os valores que podem ser abastecidos, sendo que para, o caso de veículos ligeiros, serão 25 litros e, para o caso dos veículos, pesado 100 litros”, informou Matos Fernandes, à saída da reunião de Conselho de Ministros.

governo limita abastecimento combustivel

Estes limites abrangem cerca de 88% dos postos de combustíveis nacionais, já que 12% dessa rede está integrada na REPA, no âmbito da qual os veículos não prioritários só podem ser abastecidos com até 15 litros.

Estes limites são anunciados, além disso, num momento em que a Brisa já tinha informado o Governo de que se registaram ruturas de combustível em postos da autoestrada que liga Lisboa ao Porto. Também de acordo com os dados da plataforma #JáNãoDáParaAbastecer, neste momento, já há mesmo 28 bombas completamente sem combustível, em todo o país.

A concretizar-se a greve dos motoristas marcada para esta segunda-feira, estará em causa a segunda paralisação dos motoristas no espaço de quatro meses. A greve de abril deixou os postos de abastecimento praticamente sem combustível, tendo motivado um acordo entre os patrões e os motoristas que prevê uma progressão salarial, com início em janeiro do próximo ano. A 15 de julho, os sindicatos decidiram, contudo, marcar uma nova greve, acusando os patrões de não cumprir esse mesmo acordo.

 

Comente esta notícia