Guimarães: construiu painel solar para iluminar o jazigo de família

Vimaranense quis homenagear o filho, que morreu em 1992, e, para tal, construiu um painel solar que alimenta os candeeiros da campa. Poupa em velas, é amigo do ambiente e está muito orgulhoso da sua obra.

Guimarães: construiu painel solar para iluminar o jazigo de família
Imagem: JN

Domingos Dias Ferreira, de 77 anos de idade, é o autor da obra que homenageia o filho, adepto de tecnologias, que morreu em 1992: um painel solar que ilumina a campa da família, alimentando os candeeiros lá colocados.

A “obra” está a funcionar há dois anos no cemitério de Aldão, em Guimarães. A campa tem, na cabeceira, um poste com cerca de dois metros e meio de altura com um painel solar no topo.

“Ainda bem que fui o primeiro. Graças a Deus, ainda tenho a cabeça no sítio e continuo a ter ideias boas”, declarou o vimaranense ao JN.

Tudo começou com um rascunho feito num papel que Domingos entregou ao empreiteiro que contratou para erguer o jazigo.A ideia era pô-lo em Atães, mas perante a impossibilidade manifestada pela Junta, o jazigo inovador foi para Aldão.

Apesar de a ideia ter causado estranheza junto dos habitantes da freguesia, Domingos Ferreira está satisfeito com a empreitada: “Houve quem me desse os parabéns e quem me criticasse. Eu sei que há pessoas que não gostam das minhas novidades”.

Certo é que o autor da obra nunca mais teve de gastar dinheiro em velas. Sempre que o sol se põe, a energia acumulada no sistema de painel solar é projetada para as três lâmpadas, que ficam acesas a noite toda. De manhã, com a luz do dia, desligam-se.

Domingos Ferreira prefere não dizer quanto é que gastou com o jazigo, mas assegura que “não chega à casa dos milhares, pois foi bem controlado”.

 

 

Comente esta notícia