Mãe de Kathryn Mayorga: "Ela merece justiça"

Depois de Dolores Aveiro se ter pronunciado sobre o fim do processo que implicava CR7 num caso de violência sexual, agora foi a vez da mãe da alegada vítima dizer o que pensa.

Mãe de Kathryn Mayorga:
Imagem: Flash

A mãe de Kathryn Mayorga – a modelo norte-americana de 35 anos que acusou Cristiano Ronaldo de a ter violado e sodomizado a 12 de junho de 2009 no hotel Palms, em Las Vegas – decidiu falar sobre o processo e, numa entrevista ao jornal inglês, “The Sun”, disse que a filha merece justiça.

Recorde-se que a acusação tem estado envolta em polémica desde o início e, na terça-feira passada, a procuradoria de Clark County, num comunicado divulgado através das redes sociais, explicou que “as alegações contra Cristiano Ronaldo de ataque sexual não podem ser provadas para além de dúvida razoável” e, deste modo, cairão porque não podem ser provadas.

mae de kathryn mayorga

Recorde-se que Ronaldo sempre negou ter violado Mayorga, apesar de esta ter especificado detalhes da noite em que estiveram juntos, como o suposto facto de ter dito ao jogador que não tinha um fato de banho para ir com ele até ao jacuzzi do quarto e este ter-lhe dado “calções de desporto e uma t-shirt” e sugerido que ela mudasse de roupa na casa de banho antes de os abusos sexuais terem ocorrido.

“Não vou tecer quaisquer comentários sobre esta situação porque ainda não sei se isto terminou”, disse a mãe da modelo, Cheryl Mayorga. E acrescentou: “Ela [Kathryn] merece justiça e é por isso que me sinto tão em baixo”.

Ainda que as acusações tenham caído, Ronaldo ainda enfrenta um caso civil e poderá ser responsabilizado pelas acusações. Na queixa de 31 páginas, formalizada junto das autoridades do Nevada, Mayorga especificou que gritou “não, não, não” enquanto o atleta a obrigou a ter relações sexuais. A mulher afirmou que Ronaldo lhe terá pago 375 mil dólares (cerca de 324 mil euros) para que se mantivesse em silêncio sobre a alegada violação, sendo que o seu advogado colocou a validade do acordo em causa no ano passado.

 

Comente esta notícia