Mãe mostra feto morto após o hospital o ter declarado “lixo médico”

Às 14 semanas, sabendo que a bebé tinha morrido na sua barriga, quis que lhe induzissem o parto, pois queria ter a filha nos braços. Divulgou as fotos para provar que é um “bebé real” e não “lixo médico”, como lhe chamaram os médicos.

Mãe mostra feto morto após o hospital o ter declarado “lixo médico”
Imagem: MAGG

Sharran Sutherland, norte-americana de 40 anos de idade, estava grávida de 14 semanas quando, numa simples consulta de rotina, os médicos informaram-na que a bebé tinha morrido devido a uma súbita paragem cardíaca.

Nesse mesmo dia foi-lhe sugerida uma cirurgia para remoção do feto, mas recusou por não querer que o bebé “saísse em pedaços”. Optou, por isso, por ter um parto natural 175 dias antes da data prevista para o nascimento, e revelou em primeira mão as imagens da bebé, a quem deu o nome de Miran, para provar que é um “bebé real” depois de a equipa médica a ter declarado “lixo médico”.

Depois do parto, Sharran e o marido, Michael, tiveram autorização para levar a bebé, de apenas 20 gramas, para casa onde o colocaram no frigorífico. A ideia era impedir ou, pelo menos, retardar o processo de decomposição até que se sentissem emocionalmente aptos para o enterro.

Ainda assim, os pais de Miran decidiram fotografar a filha e enviaram as imagens ao tablóide britânico “The Sun” (que divulgou a história), para assumirem uma posição em relação à forma como as pessoas encaram os fetos.

Mãe mostra feto morto após o hospital o ter declarado “lixo médico”

As imagens mostram um feto quase formado – com orelhas, mãos, pernas e lábios já visíveis e Sharran afirmou que a forma como as pessoas olham para os fetos é através de uma perspetiva desumana que afeta não só pessoas que tenham decidido fazer um aborto ou que tenham perdido os bebés durante a gravidez.

“Quando uma mulher perde o seu bebé antes de nascer, é incapaz de fazer o luto da mesma forma que a mulher que tem um bebé que morre depois de nascer. É quase como se não se falasse disto, porque é tabu. Lidamos com isto sozinhas porque as outras pessoas não reconhecem o feto como um humano, como um bebé”, revelou.

Mãe mostra feto morto após o hospital o ter declarado “lixo médico”

“Não conseguia acreditar que os médicos tivessem designado o meu bebé como um simples feto, ou como lixo. Fiquei tão triste e zangada”, prosseguiu, acrescentando que entre descartá-lo ou trazê-lo para casa, a escolha era óbvia.

Depois de terem de encarar a dura realidade, o casal decidiu, por recomendação de um agente funerário, enterrar Miran no vaso de uma planta de casa para que, à medida que as folhas fossem crescendo, Sharran e Michael sentissem que a filha estaria ali com eles.

 

 

Comente esta notícia