Malato: "Adoro ser gay. Acho maravilhoso!"

Malato demorou a 'sair do armário', sobretudo pelo respeito ao pai. Mas, hoje, fala sem pudores sobre a sua relação com João Caçador, o seu grande apoio.

Malato:
Imagem: Flash

A uma semana de ir de férias, José Carlos Malato deu uma entrevista à revista Flash e ‘abriu o jogo’. Falou sobre a dor que sente por ter perdido o pai e sobre a sua relação com João Caçador, a sua cara-metade.

“Ultrapassar a perda do meu pai tem sido complicado. Pessoalmente e familiarmente”, começou por dizer. O luto tem sido muito difícil para o apresentador da RTP, tanto que garantiu que se sente “como se tivesse saído de um trauma de guerra. Foi…uma experiência limite que me tem custado a digerir”, acrescentou.

Ainda assim, preocupado com a mãe e a restante família, Malato tem-se esforçado por parecer forte. “Tenho apoiado muito a minha família mas tive que encontrar outro lugar para mim. Tive que preencher uma parte do espaço do meu pai e foi complicado”, declarou.

Confessou que ainda hoje as lágrimas lhe correm “muitas vezes pelo rosto” e por isso está a sonhar muito com as férias que o aguardam já a partir da próxima semana.

Malato:

“Eu pensava que ia ser forte e que ia resolver tudo mas não consegui afastar-me… Estas férias serão por isso catárticas. Não é que vá para lado nenhum de especial, até porque não posso por razões familiares ir para longe, mas quero cortar um bocadinho com o meu dia a dia… quero não ser reconhecido na rua. Porque ainda não chorei tudo”, disse o apresentador.

O seu grande apoio neste momento difícil da sua vida tem sido o namorado, João Caçador. O apresentador que publicamente sempre escondera as suas escolhas sexuais, deixou de lado a vergonha confessando a sua homossexualidade, sem receios. “O João tem sido um grande apoio. Ele tem sido extraordinário”, explicando, de seguida, eporque nunca antes havia publicamente admitido falado deste assunto.

“A minha sexualidade está clara para todos desde a morte do meu pai. Mas na realidade ele sempre soube e aceitou os meus namorados. Ele sabe que eu sempre tive relações longas com homens, vividas em família, sem problemas…e para o meu pai isso nunca foi problema. Ele não queria era a exposição” afirmou.

Malato:

“Mas desde que ele partiu, para mim ficou mais claro que já não tinha que deixar de dizer nada, de fazer nada…. Não era que escondesse, ou que mentisse, nunca o fiz…mas hoje se me apetecer dar um beijo na rua ao meu namorado dou, estou à vontade…”, prosseguiu.

Por essa razão, o apresentador confessou que hoje se sente mais livre, sem receios. Gosto “de viver o que sou, como sou, de forma livre, sem nenhum entrave. Eu adoro ser gay e nunca quis ser outra coisa. A ideia de ser alegre, bem disposto, que é o que diz a palavra… não podia ser outra coisa. Sou eu”, rematou.

 

Comente esta notícia