Mayorga retira queixa de violação contra Cristiano Ronaldo

A desistência foi comunicada em Maio a um tribunal de Las Vegas. Apenas não se sabe se Kathryn Mayorga chegou a algum acordo extrajudicial com o craque português.

Mayorga retira queixa de violação contra Cristiano Ronaldo
Imagem: Flash

A queixa de violação contra Cristiano Ronaldo, apresentada pela norte-americana Kathryn Mayorga e cuja investigação policial foi reaberta no ano passado, já terá sido retirada, noticiou a Bloomberg esta terça-feira, dia 5 de junho.

Sabe-se que a desistência foi comunicada em Maio a um tribunal de Las Vegas. Porém, o documento judicial não indica se Mayorga chegou a algum acordo extrajudicial com CR7.

A Bloomberg tentou obter uma reacção junto das equipas legais de Mayorga e Ronaldo, mas sem sucesso. Também as autoridades de Las Vegas não se mostraram disponíveis para confirmar a notícia.

mayorga retira queixa de violacao contra cristiano

Recorde-se que, em outubro de 2018, a polícia de Las Vegas anunciou que reabrira, no mês anterior, uma investigação a uma queixa de violação originalmente apresentada em 2009 por Kathryn Mayorga.

A história do encontro em que o crime teria ocorrido foi contada numa entrevista à revista alemã “Der Spiegel”. A ex-modelo norte-americana afirma que o jogador português a terá obrigado a praticar sexo anal, apesar de ter pedido várias vezes que Ronaldo parasse. Revelou ainda que o internacional português lhe terá dito após a relação sexual que era “um bom rapaz 99% das vezes” e que não sabia “de onde vinha o 1%”.

mayorga retira queixa de violacao contra cristiano

Posteriormente, Mayorga chegou a um acordo com o jogador: em troca de 375 mil dólares (cerca de 323 mil euros), a norte-americana assinou um acordo de confidencialidade que a proibia de nomear o jogador português no âmbito do caso.

Cristiano Ronaldo sempre negou publicamente a acusação, mas viu-se, em 2018, envolvido numa acção cível que pedia a anulação do acordo de confidencialidade e que o acusava de vários crimes: agressão e abuso sexual, imposição intencional de sofrimento emocional, coacção e fraude, chantagem e conspiração, difamação, abuso de direito.

A acusação teve na altura consequências desastrosas para o atual clube do craque português, a Juventus, cujas acções caíram 15%.

 

Comente esta notícia