Espanha: medicamento contaminado deixa 17 bebés com Síndrome de Lobisomem

Vários lotes com o princípio ativo de Omeprazol que foram distribuídos por uma empresa tinham, afinal, Minoxidil, destinado à prevenção da queda de cabelo. Infarmed diz que lotes não chegaram a Portugal, mas Espanha está em sobressalto.

Espanha: medicamento contaminado deixa 17 bebés com Síndrome de Lobisomem
Imagem: Saúde Online

Pelo menos 17 bebés em Espanha ficaram com “síndrome de lobisomem” depois de terem tomado um medicamento para problemas no sistema digestivo (o Omeprazol) que tinha, afinal, um produto destinado à prevenção da queda de cabelo.

Os casos foram detetados em vários locais de Espanha — 10 bebés afetados em Cantabria, quatro em Andaluzia e três na comunidade de Valência — e caracterizaram-se por um crescimento desmesurado de pelo em todas as partes do corpo das crianças, divulgou o jornal espanhol El Pais.

A Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS), após ter conhecimento de alguns casos de bebés afetados, ordenou a retirada de vários lotes com o princípio ativo de Omeprazol que foram distribuídos pela empresa Farma-Química Sur S.L. às indústrias farmacêuticas que fabricam medicamentos com esse componente.

Neste caso, o princípio ativo foi fabricado na Índia, mas em vez de ser Omeprazol era, afinal, Minoxidil, um componente utilizado para estimular o crescimento de cabelo em pessoas com alopecia.

“A testa, bochechas, braços, pernas e mãos do meu filho estavam cobertas de pelos. Ele tinha as sobrancelhas de um adulto. Foi muito assustador porque não sabíamos o que estava a acontecer com ele”, conta ao mesmo jornal Ángela Selles, mãe de uma das crianças afetadas. Uriel tinha seis meses quando as mudanças começaram preocupar os pais.

Depois da divulgação dos casos, a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) garantiu esta quarta-feira em comunicado que a “contaminação do medicamento Omeprazol, em Espanha, não se coloca no nosso país”. O Infarmed já se tinha prevenido para a situação em agosto, depois de receber o alerta da agência espanhola que divulgou pela rede europeia de agências do medicamento.

 

Comente esta notícia