Ministro justifica nomeação da mulher para o Governo

Sobre o facto de haver mais um familiar de ministro no Governo, Pedro Nuno Santos decidiu justificar a nomeação da esposa contanto a história de como se conheceram.

Ministro justifica nomeação da mulher para o Governo
Imagem: JN

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e Habitação, justificou no Facebook a nomeação da sua mulher, Ana Catarina Gamboa, para chefe de gabinete de Duarte Cordeiro, secretário de Estado adjunto e dos Assuntos Parlamentares.

Para tal, contou a história de como se conheceram, considerando que “o povo tem o direito de questionar e de querer garantir que os cargos de poder político não são usados para que alguns se sirvam a si e às suas famílias”.

“Sinto o dever de relatar de forma breve a minha história e a da Catarina. Faço-o, não apenas por sentir esse dever para com o povo português, mas também por respeito ao Duarte e, sobretudo, à Catarina, que não merece ser menorizada no seu percurso profissional – que nada deve a mim – apenas por ser minha mulher”, começou por escrever.

“A Catarina, que é a minha mulher e a mãe do meu filho Sebastião [que nasceu em 2016] é, também a Catarina Gamboa: excelente profissional, pessoa de enorme competência e confiança – e hoje chefe do gabinete de Duarte Cordeiro”, continuou.

Ministro justifica nomeação da mulher para o Governo

O ministro detalha ter conhecido a mulher há cerca de 16 anos através de Duarte Cordeiro, enquanto disputavam eleições. “Ele ganhou a concelhia de Lisboa e eu a Federação de Aveiro e começámos a preparar o terreno para conquistarmos a nacional. Foi nesse percurso que conheci uma jovem militante da equipa concelhia do Duarte. Uma mulher bonita, divertida e com muita graça, inteligente, desafiadora e, sobretudo, competente. Ela era inquieta, rebelde, sempre pronta a desafiar e a questionar as minhas decisões. Mas apesar de chocarmos muito, gostava da personalidade dela e do seu instinto político”, prosseguiu.

“Era uma pessoa assim que precisávamos na nossa equipa e foi por isso que ela fez parte do meu primeiro Secretariado Nacional da JS”, relatou.

Cordeiro começou a trabalhar com Catarina Gamboa na Câmara de Lisboa, quando chegou a vereador, quando Pedro Nuno Santos e a agora mulher ainda não eram um casal: “Foi mais ou menos por essa altura que eu e a Catarina nos reencontramos. Desta vez, comigo mais maduro, e com a Catarina igualmente gira, divertida e inteligente, acabámos apaixonados um pelo outro.”

Ministro justifica nomeação da mulher para o Governo

“Nos tempos mais recentes, tanto o meu percurso profissional e político como o do Duarte e o da Catarina continuaram a avançar. Eu fui convidado para exercer as funções de ministro das Infraestruturas e da Habitação e o Duarte as de Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares. A Catarina que, entretanto, tinha assumido funções de coordenação do gabinete do Duarte enquanto Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, acompanha-o agora para o Governo e ele convida-a para sua chefe do gabinete. Foi assim que as coisas se passaram”, continuou.

“A realidade é sempre mais longa e complexa do que as notícias e os títulos dos jornais”, afirmou Pedro Nuno Santos.

“Podia dizer que a nossa história é tão banal como a de qualquer outro casal. Mas compreendo que o grau de escrutínio público a que estamos sujeitos, pelas nossas funções, não possa ser banal. É por compreender essa necessidade de transparência que também gostaria que compreendessem que não posso abdicar da defesa de um princípio que considero muito importante: o de que ninguém deve ocupar uma função profissional por favor, como ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”, concluiu.

 

Comente esta notícia