"O Benfica foi campeão europeu no tempo do fascismo"

O dirigente portista voltou a apontar armas ao clube rival e a Vieira. Disse que o clube da Luz venceu os 2 títulos de campeão europeu "no tempo do fascismo", que o Benfica de Vieira engana os adeptos e abordou ainda o caso e-Toupeira.

Imagem: JN

No programa “Universo Porto da Bancada” desta terça-feira, Francisco J. Marques considerou que o Benfica venceu os dois títulos de campeão europeu “no tempo do fascismo”.

“Convém recordar que o FC Porto é o único clube que resistiu ao centralismo de Lisboa. O Benfica foi duas vezes campeão europeu no tempo do fascismo. Não foi com golos do Salazar, mas fazia outras coisas”, começou por dizer.

“Todos nós nos recordamos e sabemos que um presidente da Federação tinha de ser indicado por alguém de Lisboa – Benfica, Sporting e Belenenses -, o resto do país era paisagem. Já o FC Porto conquistou tudo o que sonhou”, acrescentou o diretor de comunicação, salientando que os azuis e brancos podem “falar de barriga cheia”.

“Olhando para o panorama europeu, excetuando os clubes muito muito ricos, é difícil encontrar algum clube que tenha conquistado o que o FC Porto conquistou. Quando se faz análise do período mais grandioso do Benfica, foi quando era o clube do regime. Hoje em dia procurou beneficiar do mesmo através de esquemas que conhecemos”, atirou.

“Pelas notícias, o que se percebe é que havia um funcionário muito curioso e benfiquista que o fazia consultar processos em que o Benfica estava envolvido diariamente, mais de uma vez por dia. Dava-se a coincidência de esse funcionário ser muito amigo de um alto dirigente do Benfica. Esse curioso entregava informação ao dirigente. E jamais partilhou alguma informação com o presidente do Benfica, que não sabia de nada. Isto é o que percebemos ao ouvir os cartilheiros”, disse o dirigente portista.

Francisco J. Marques revelou ainda que o FC Porto interpôs uma queixa-crime contra José Marinho, comentador da BTV, por ter dito que “o FC Porto é uma fachada para o crime organizado”.

“São acusações sem qualquer fundamento e o FC Porto reage de forma natural, já entrou uma queixa e o senhor José Marinho vai responder no local próprio por isto. Estas declarações vinculam o Benfica e José Marinho tem uma intervenção de minutos, isto faz parte de uma estratégia do Benfica, ilustra o Benfica de hoje em dia, enterrado na lama criada pelo próprio Benfica, tenta arrastar outros para essa lama, mas é tempo perdido e não podem deixar de ser responsabilizados”, prossegui.

“O Benfica de Luís Filipe Vieira é isto, lança acusações falsas, vive das fake news e procurar enganar os seus próprios adeptos, para os distrair das trapalhadas em que está envolvido. O pretexto para esta intervenção foi a queixa que o Benfica apresentou e obrigou a que uma série de pessoas do FC Porto fossem arguidas, mas não é comparável, como o DCIAP esclareceu, não tem nada a ver com um caso de corrupção. A SAD do Benfica está acusada de corrupção, um ex-alto quadro seu é arguido numa investigação e José Marinho diz que o FC Porto é uma associação criminosa, é uma estranha forma de interpretar a realidade”, rematou Francisco J. Marques.

 

 

Comente esta notícia