Papa admite que padres e bispos abusaram sexualmente de freiras

Francisco reconheceu que os escândalos sexuais na Igreja também se alastraram ao abuso de freiras. "Nós temos de fazer algo mais? Sim! E temos vontade? Sim!" frisou.

Papa admite que padres e bispos abusaram sexualmente de freiras
Imagem: Expresso

O papa Francisco reconheceu esta terça-feira que padres e bispos abusaram sexualmente de freiras, numa resposta a uma pergunta de um jornalista durante uma viagem de avião de regresso dos Emirados Árabes Unidos.

“Havia padres e também bispos que faziam isso”, concordou o Sumo Pontífice, que nunca tinha abordado a questão diretamente, considerando ainda que é um tema relevante na Igreja.

Citado pela Associated Press, Francisco disse que esses casos podem ser encontrados “em todos os lugares”, mas são mais presentes em “algumas novas congregações e em algumas regiões”.

Papa admite que padres e bispos abusaram sexualmente de freiras

“Estamos a trabalhar nesse dossiê há muito tempo. Suspendemos vários clérigos, que foram demitidos por causa disso”, disse, sem mencionar nomes ou países.

“Não sei se o julgamento [canónico] acabou, mas também dissolvemos algumas congregações religiosas femininas que têm estado muito ligadas a essa corrupção”, acrescentou o Papa, observando que a Igreja não se pode refugiar em negação.

“Nós temos de fazer algo mais? Sim! E temos vontade? Sim!” insistiu.

Jorge Bergoglio prestou homenagem ao seu antecessor, Bento XVI, que teve “a coragem de dissolver uma congregação feminina” na qual “esta escravidão de mulheres foi estabelecida, escravidão que foi tão longe quanto a escravidão sexual das mulheres pelos clérigos e pelo fundador”.

Papa admite que padres e bispos abusaram sexualmente de freiras

O papa Francisco referia-se à congregação francesa das Irmãs contemplativas de São João, disse após a conferência de imprensa o seu porta-voz.

O chefe de Estado do Vaticano referiu ainda outra congregação religiosa, culpada de “corrupção sexual e económica”, na qual o papa Bento XVI insistiu em investigar. “Ele era um homem forte e consistente”, declarou Francisco.

Recorde-se que, recentemente, quase duas dúzias de freiras e ex-freiras queixaram-se de repetidas violações e de uma hierarquia católica que pouco fez para as proteger, ao mesmo tempo que detalharam frequentes situações de assédio sexual, existindo ainda relatos de sacerdotes que afirmaram terem tido conhecimento direto deste tipo de incidentes.

 

Comente esta notícia