Pedro Dias condenado a 25 anos de prisão

Tribunal deu como provados os crimes de homicídio.

Pedro Dias condenado a 25 anos de prisão
Imagem: ZAP

Pedro Dias acaba de ser condenado à pena máxima, 25 anos de prisão. Mesmo não tendo estado presente na sessão – por alegadamente estar com problemas de coluna – o arguido ouviu a sentença por videoconferência.

Tal como avança o jornal Sol, que teve acesso a fontes ligadas ao processo, o coletivo de juízes deu como provada na íntegra a acusação do Ministério Público (MP), fazendo cair por terra a defesa do homicida de Aguiar da Beira.

pedro-dias-condenado-a-25-anos-de-prisao

O Tribunal deu como provado os homicídios de que era acusado. Pedro Dias foi condenado a 21 anos de prisão pelo homicídio de Carlos Caetano, 22 anos de prisão pelo homicídio de Luís Pinto e outros 22 anos pela morte de Liliane Pinto. Em relação ao crime de homicídio na forma tentada de António Ferreira, Pedro Dias foi condenado a 11 anos e seis meses de prisão.

Recorde-se que Pedro Dias estava acusado de três crimes de homicídio qualificado sob a forma consumada, três crimes de homicídio qualificado na forma tentada, três crimes de sequestro, crime de roubo de automóvel, armas da GNR e dinheiro, bem como os crimes de uso, detenção e porte de armas ilegais.

O homicida tinha confessado que era o autor dos disparos sobre dois militares da GNR – António Ferreira ficou ferido, mas Carlos Caetano acabou por perder a vida. No entanto, recusava qualquer responsabilidade quanto às mortes de dois civis que viajavam na Estrada Nacional 229, Liliane e Luís Pinto.

pedro-dias-condenado-a-25-anos-de-prisao

Os familiares das vítimas, que aguardaram ansiosamente a leitura da sentença à porta do Tribunal da Guarda, sentem que ainda assim não foi feita justiça. “Foi a pena máxima. Mesmo assim é pouco. No mínimo 50, que era para nunca mais cá voltar. Mas pronto, se a lei é esta”, afirmou António Jesus, pai de Liliane Pinto.

Já Maria de Fátima, mãe de Liliane, disse: “gostava de estar frente a frente com ele. Perguntava-lhe porque é que matou a minha filha. Não me importava de ir para a cadeia. Mas eu gostava de o matar”, revelou desesperada.

pedro-dias-condenado-a-25-anos-de-prisao

 

Comente esta notícia