Pressionam mamas das filhas menores com pedras quentes para travarem crescimento

A prática africana de pressionar uma pedra quente sobre o peito de meninas (a partir dos  8 anos de idade) para atrasar o crescimento das mamas, está a virar moda no Reino Unido.

Pressionam mamas das filhas menores com pedras quentes para travarem crescimento
Imagem: JN

O “breast ironing” (que faz referência ao ato de ‘passar a ferro o peito’) é uma das formas de mutilação que atinge atualmente a vida de mais de 3,8 milhões de pré-adolescentes.

Consiste em usar ferros, espátulas ou pedras quentes para esmagar a mama em formação, quebrando o tecido, de forma a achatá-la. Meninas a entrar na fase da puberdade, a partir dos 8 anos, são, por norma, o alvo.

A ONU descreve o “breast ironing” como um dos cinco crimes globais relacionados com violência de género menos reportados.

A prática está a chegar à Europa, e há vários médicos especialistas que confirmaram o aumento do número de casos em Inglaterra. Os mesmo médicas alertam para as várias consequências possíveis: traumas físicos e psicológicas, cicatrizes, infeções, incapacidade de amamentar, malformações e cancro da mama.

Tal como avança o jornal britânico “The Guardian”, o aumento de casos disparou em jovens pré-adolescentes oriundas de Londres, Yorkshire, Essex e West Midlands. Fazem-no uma vez por semana, ou de duas em duas semanas, dependendo de como o corpo reagir.

Pressionam mamas com pedras quentes para travarem crescimento

Margaret Nyuydzewira, chefe do grupo da diáspora “Came Women and Girls Development Organisation”, estimou que pelo menos mil mulheres e meninas no Reino Unido tenham sido submetidas à intervenção.

Como qualquer prática tradicional, é das mães, avós e tias que chega a norma. Dizem que protege as meninas da atenção masculina indesejada, do assédio sexual e da violação. Às vezes, fazem-nos ao primeiro sinal de puberdade das filhas.

“Peguei na pedra, aqueci-a e comecei a massajar (as mamas da minha filha”, contou ao jornal britânico uma mãe, residente nos subúrbios de uma cidade inglesa. “A pedra estava um pouco quente. Quando comecei a massajar, a minha filha disse: ‘Mãe, está quente!”

A criança desenvolveu hematomas, em consequência do “breast ironing”, e a mãe acabou por ser interrogada pela Polícia, que a libertou mais tarde.

 

Comente esta notícia