"Touradas? Menores veem coisas piores nas redes sociais"

No seu espaço de comentário na TVI, Miguel Sousa Tavares disse, sem pudores, que “está a crescer uma perseguição às touradas” e que “um só deputado aterroriza o Parlamento” com o assunto.

Imagem: A Televisão

Depois da ministra da Cultura, Graça Fonseca, ter tornado público que a sua vontade é acabar com as touradas, Miguel Sousa Tavares fez questão de falar sobre o assunto no seu habitual espaço de comentário da TVI.

Garantiu “não” ser aficionado mas assegurou que gosta do “espetáculo em si”. Considerou ainda que não restam dúvidas de que “está a crescer uma perseguição às touradas”e falou sobre o deputado do PAN (Partido Pessoas Animais Natureza), André Silva, dizendo que apenas ele “aterroriza o Parlamento” com o assunto.

“Ele mete mais medo do que um touro selvagem na arena. O hemiciclo borra-se de medo do deputado do PAN”, assumiu Miguel Sousa Tavares, afirmando ainda que as touradas “dão emprego a muita gente”.

A este propósito, o comentador lembrou que os espetáculos de tauromaquia fazem parte da “cultura” e da “economia”, sustentando que “há muita gente que vive disto”. Deu um exemplo de uma corrida de touros, recentemente, transmitida na RTP que terminou madrugada dentro devido a questões legais.

“Touradas? Menores veem coisas piores nas redes sociais”

“Dizem que é para não impressionar os menores com a crueldade do espetáculo, mas os menores veem coisas muito piores em horas normais na televisão até mesmo nos videojogos e nas redes sociais”.

Criticando a regra que impõe que a transmissão televisiva deste tipo de espetáculos decorra fora dos chamados horários nobres, Miguel Sousa Tavares dez questão de dizer que a corrida foi “bonita” e que a razão para passar este tipo de atividade em horas tardias “não é para proteger os menores da crueldade do espetáculo, é porque a corrida foi de tal maneira bonita que têm medo que os jovens gostem da tourada”.

“Essa é a verdade, foi um ato de censura. Do ponto de vista equestre foi simplesmente deslumbrante. E eles têm medo. É assim que começa, uma maioria impõe a sua ditadura do gosto e é assim que nascem os Bolsonaros. Não é esta uma decisão típica de Bolsonaros também?”

 

 

Comente esta notícia