Volta a confusão a Alvalade: Bruno instaura processo a Jesus

O presidente do Sporting instaurou um processo disciplinar a Jorge Jesus para o despedir por justa causa. Na origem do processo, o facto de ter apoiado os jogadores no conflito destes com o líder do clube.

Volta a confusão a Alvalade: Bruno instaura processo a Jesus
Imagem: CM

Jorge Jesus e Bruno de Carvalho estão em ruptura total e parece que não há volta a dar. Depois de se ter noticiado que o presidente leonino tinha suspendido Jesus e a restante equipa técnica, agora sabe-se que, em vez disso, foi instaurado um processo disciplinar ao treinador do Sporting tendo em vista o despedimento por justa causa. Isto porque ficou do lado do plantel aquando o conflito entre Bruno e os jogadores do clube de Alvalade.

Esta segunda-feira, na reunião com o Conselho de Administração da Sporting, SAD, e de outros departamentos, Jesus teve uma conversa agreste com Bruno de Carvalho e deixou mesmo Alvalade convencido da suspensão de funções. A notícia foi, entretanto, desmentida pelo responsável máximo dos leões. Sabe-se que, neste encontro, Bruno de Carvalho terá acusado Jorge Jesus de “deslealdade”.

Após ter abandonado a reunião, Jesus reuniu-se com os advogados num hotel em Lisboa, os quais o aconselharam a apresentar-se esta terça-feira ao trabalho, em Alcochete, avança a imprensa desportiva.

volta-a-confusao-a-Alvalade-bruno-instaura-processo-a-jesus_JornalEconomico

Após as primeiras notícias da suposta suspensão de Jorge Jesus, falou-se de um possível boicote por parte do plantel à final da Taça de Portugal. Segundo o jornal “A Bola”, apesar do plantel estar do lado de Jorge Jesus, essa possibilidade não está em cima da mesa, pois implicaria, com certeza, problemas judiciais para todos os envolvidos.

O presidente do Sporting declarou ainda à comunicação social que o jogo nos Barreiros prejudicou bastante o Sporting. “Fez-nos perder bastantes milhões que já estavam contabilizados no orçamento para a próxima época”, avançou. E sobre Jesus, que tem mais um ano de contrato e uma cláusula de rescisão de sete milhões de euros, manteve-se em silêncio.

 

Comente esta notícia